segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Blueberry e a Nação Apache

Blueberry e a Nação Apache


N. C.: 1) Em 1984, Jean Giraud fez essa ilustração de 
Mike Steve Blueberry inspirada em Charlton Heston 
atuando em "Will Penny" "E o Bravo Ficou Só", título no 
Brasil; “Will Penny, le solitaire”, na França; “Costretto ad 
uccidere”, na Itália -, lançado em1968; mesma cena do 
ator foi utilizada no cartaz do filme dirigido por Tom Gries.


Inicia um período turbulento, em cujo as edições de “Blueberry” mudam continuamente de mão, passando de uma editora a outra (Hachette, Novedi e Alpen) para depois retornar sob a Dargaud. De fato, entre a saída de “Angel Face” e aquela de “Nez Cassé” transcorrem cinco anos.

O argumento do terceiro subciclo em questão, composto por “Nez Cassé”, “La Longue Marche” e “La Tribu fantôme(2), descreve o lento declínio da nação apache, um tempo feroz e temida, mostrando um punhado de índios navajos encerrados em uma reserva/prisão do governo federal, que decidem fugir rumo ao México.

N. C.: 2) As histórias “Nez Cassé” – “Nariz Partido”, “La Longue Marche” – “A Longa Marcha” e “La Tribu fantôme” – “A Tribo Fantasma” foram publicadas, em Portugal, pela extinta editora Meribérica e pela parceria entre o jornal Público e a editora ASA.




Na cena comparece o fugitivo Mike Blueberry, “adotado” com o nome de Tsi-na-pah (Nariz Partido) pelo velho chefe Cochise, que procura instilar um pouco de bom senso nas cabeças dos impulsivos guerreiros navajos guiados pelo impetuoso Vittorio, ciumento da atração que a bela e doce Chini, filha de Cochise, sente por Mike.


N. C.: 3) A prancha 21 de “Nez Cassé” foi idealizada e acrescentada
 à história por Jean Giraud. Fonte: Jean-Yves Brouard.






Em 1877, um chefe chiricahua de nome Victorio reúne 500 apaches de diversos grupos que odiavam a vida na reserva de San Carlos e deu a via à outra longa fase de guerrilha em todo o Novo México e no Texas ocidental, matando numerosos anglo-americanos.




Em outubro de 1880, os chiricahuas foram impelidos no México e exterminados em Chihuahua e os poucos sobreviventes foram vendidos como escravos! Historicamente, merece a mesma atenção Cochise e Gerônimo, e, de fato, todos os três chefes apaches foram envolvidos na saga de Blueberry por Charlier e Giraud, que têm, assim, demonstrado uma predileção particular por esses famosos protagonistas da epopeia do Oeste e pela nação apache.








A ideia do índio apanhado prisioneiro que consegue fugir das mãos dos militares é retomada por Charlier do primeiro ciclo sobre Forte Navajo até o momento da fuga da tribo do ciclo sobre a Ferrovia, mesmo se nesse ciclo os autores se detiveram demais no argumento.

Obviamente, Blueberry se demonstra sempre à altura da fama, elaborando ciladas e fugas, frequentemente pouco críveis, mas já que estamos em uma história em quadrinhos tudo é consentido aos autores, sobretudo no seu propósito de ajudar o povo vermelho sem matar nenhum branco, e, incrivelmente, os guerreiros apaches respeitam a sua vontade não matando os soldados nas ciladas elaboradas pelo nosso herói. 




Graças à inteligência de Blueberry, a tribo é conduzida a salvo, vencendo a resistência dos jovens guerreiros chefiados por Vittorio e graças à ajuda de Chini.

Na narrativa reencontramos Jimmy Mac Clure, Red Neck e Chihuahua Pearl, aqui chamada Lily Calloway, um trio de amigos sempre prontos a ajudar o nosso herói a fugir das garras do exército dos Estados Unidos, enquanto faz o seu ingresso outro famoso protagonista da epopeia western, Wild Bill Hickock (4), que se lança na perseguição de Mike.

N. C.: 4) James Butler Hickok (1837 —1876), melhor conhecido como Wild Bill Hickok, foi um vulto histórico americano e uma figura lendária do Velho Oeste. Hickok lutou no exército da União durante a Guerra Civil Americana. Chegou ao Oeste como condutor de diligências. Depois da guerra ele ganhou fama como jogador profissional e homem da lei. Foi xerife nos territórios de Kansas e Nebraska. Hickock se envolveu em vários tiroteios notórios, explorados pela imprensa sensacionalista. Ele foi morto durante um jogo de poker num saloon em Dakota. Fonte: Wikipédia.








Os quadrinhos desenhados por Giraud são correntes, não sobrecarregados pelos fundos negros, enquanto estilisticamente domina o traço simplificado e barroquiante, típico da produção registrada Moebius daqueles anos para os Humanoïdes Associées (“Arzak”, “A Garagem Hermética”, John Difool (5)).

N. C.: 5) John Difool, um dos protagonistas da série “O Incal”, cuja foi escrita por Alejandro Jodorowsky e desenhada por Moebius.


Blueberry
Textos de Jean-Michel Charlier e desenhos de Jean Giraud

18 – Nez Cassé
“Metal Hurlant” do nº 38 de 01/02/1979 ao nº 40 de 01/07/1979
“Super As” do nº 1 de 13/02/1979 ao nº 10 de 17/04/1979
Álbum Dargaud em 1980

Naso rotto
“Skorpio” do nº 18 ao nº 21 de 1981, Eura Editoriale
“1984” do nº 20 ao nº 23 de 1981, Edizioni Il Momento
“Collana Eldorado” 18, Nuova Frontiera, 1986
Álbum “Blueberry” 10, Editoriale Aurea, 2014
“Collana Western” 11, Gazzetta dello Sport, 2014


N. C.: 6) A prancha 1 do anúncio, do episódio “Nez 
Cassé”, publicado no número 1 de “Super As”, 
de 13 de fevereiro de 1979. Fonte: BDzoom. (7)


19 – La Longue Marche
“Super As” do nº 69 de 03/06/1980 ao nº 72 de 29/06/1980
e do nº 85 de 23/09/1980 ao nº 87 de 07/10/1980
Álbum Fleurus em 1980

La lunga marcia
“Skorpio” do nº 22 ao nº 25 de 1981, Eura Editoriale
“1984” nos números 28, 41, 42 de 1983/84, Edizioni Il Momento
“Collana Eldorado” 19, Nuova Frontiera, 1986
Álbum “Blueberry” 10, Editoriale Aurea, 2014
“Collana Western” 11, Gazzetta dello Sport, 2014


N. C.: 6) A prancha 2 do anúncio, do episódio “Nez 
Cassé”, publicado no número 1 de “Super As”, 
de 13 de fevereiro de 1979. Fonte: BDzoom. (7)

N. C.: 7) No primeiro número da revista europeia “Super As”, o começo da história “Nez Cassé”, de “Blueberry”, foi precedido de um resumo dos episódios anteriores que os novos leitores poderiam não conhecer. Fonte: jmcharlier.com


20 – La Tribu fantôme
“L’Écho des savanes” do nº 81 de 01/10/1981 ao nº 83 de 01/12/81
Álbum Hachette em 1982

La tribù fantasma
“Totem” do nº 35 ao nº 38 de 1984, Edizioni Nuova Frontiera
“Collana Eldorado” 20, Nuova Frontiera, 1987
“Skorpio” do nº 11 ao nº 13 de 2012, Editoriale Aurea
Álbum “Blueberry” 11, Editoriale Aurea, 2014
“Collana Western” 12, Gazzetta dello Sport, 2014




Fonte: Blog Zona BéDé, Itália.

Blueberry e la nazione apache © Zona BéDé 2014

Blueberry © Jean-Michel Charlier / Jean Giraud - Dargaud Éditeur

Afrânio Braga

Nenhum comentário:

Postar um comentário