quinta-feira, 3 de junho de 2021

Blueberry na China

Capa da sobrecapa.


Verso da capa da sobrecapa.


Verso da contracapa da sobrecapa.


Contracapa da sobrecapa.


Capa. 


Blueberry na China

Ficha técnica

Título: Blueberry – La Mine de l’Allemand perdu (1) (2) (3)
Roteiros: Jean-Michel Charlier
Desenhos e capa (4): Jean Giraud
Cores: originais francesas (5)
Editora: Hina Books, Pequim, China
Tradutor: Ginkgo (Beijing) Book Co., Ltd., Pequim, China
Língua: chinês
Data de publicação: 01/03/2018
Número de páginas: 104
Pranchas: 98
Gênero: Western
Preço: 60 yuans
Volume: capa flexível
Formato: 21,6x28,6 cm
Público: Todos os públicos – Família

N. C.:

1) Número 1 de “Blueberry” na China. Integral de “La Mine de l’Allemand perd” e “Le Spectre aux balles d’or”.

2) “La Mine de l’Allemand perdu”: pré-publicado em “Pilote” do nº 497 (15 de maio de 1969) ao nº 519 (16 de outubro de 1969). Primeira edição em álbum no 1º trimestre de 1972 na Dargaud Éditeur.
3) “Le Spectre aux balles d’or”: pré-publicado em “Pilote” do nº 532 (15 de janeiro de 1970) ao nº 557 (9 de julho de 1970). Primeira edição em álbum no 3º trimestre de 1972 na Dargaud Éditeur.
4) Contracapa da sobrecapa: desenho de Mike Blueberry, por Jean Giraud, para a contracapa dos álbuns da série “Blueberry” a partir de “Mister Blueberry”, 1995.
5) Cores: Jean Giraud: “La Mine de l’Allemand perdu”; Évelyne Tran-Lê: “Le Spectre aux balles d’or”.


Página 1. Página de rosto.


Página 2. Ficha técnica.


Página 3. Prancha 1 de “La Mine de l’Allemand perdu”.


Página 8. Prancha 6 de “La Mine de l’Allemand perdu”.


Página 37. Prancha 35 de “La Mine de l’Allemand perdu”.

Página 47. Prancha 45 de “La Mine de l’Allemand perdu”.


Página 51. Prancha 1 de “Le Spectre aux balles d’or”.


Página 53. Prancha 3 de “Le Spectre aux balles d’or”.


Página 57. Prancha 7 de “Le Spectre aux balles d’or”.


Página 72. Prancha 22 de “Le Spectre aux balles d’or”.


Contracapa da capa.


Sobrecapa e capa.


Versos da sobrecapa.


Contracapas da sobrecapa e da capa.


Capa da sobrecapa.


O livro tem uma sobrecapa que quando é retirada se tem a capa de “La Mine de l’Allemand perdu”, mas não aquela de “Le Spectre aux balles d’or” que está na própria sobrecapa. É o primeiro álbum de “Blueberry” em chinês; provavelmente o editor experimenta para verificar o resultado editorial e depois disso ele avaliará a continuidade da publicação da série.


O integral contém duas histórias da série “Blueberry” - “La Mine de l’Allemand perdu” e “Le Spectre aux balles d’or”, que compõem o ciclo de Prosit Luckner. O ouro da Sierra – as quais foram publicadas em Portugal: “A Mina do Alemão Perdido” e “O Espectro das Balas de Ouro”, por Meribérica/Liber Editores e na coleção da parceria da editora ASA com o jornal “Público”, álbuns 6 e 7 respectivamente.

Fonte das imagens: Yohan Radomski.

Blueberry La Mine de l’Allemand perdu © Jean-Michel Charlier / Jean Giraud – Hina Books 2018

Afrânio Braga

Manaus, Amazonas, Brasil

Yohan Radomski

Shangai, China


domingo, 16 de maio de 2021

Inspirações de Mario Milano para “Tex Romanzi a Fumetti” nº 11 “La frustata”

 

Tex Romanzo a Fumetti nº 11

La frustata
La cicatrice di una frustata scava un solco d’odio nell’anima...

Soggetto: Pasquale Ruju
Sceneggiatura: Pasquale Ruju
Disegni: Mario Milano
Colori: Matteo Vattani
Copertina: Mario Milano
Diego Portela ha covato a lungo la sua vendetta contro don Alvarado. Ma la morte è arrivata un passo davanti a lui, portandosi via il potente ranchero. Il feroce desperado rivolge allora le sue crudeli attenzioni su Blanca, la bella figlia di Alvarado. Ma non ha fatto i conti con Tex e Carson…

Fonte: Sergio Bonelli Editore, Milano, Italia.



Tex Graphic Novel nº 9

A Chicotada

A cicatriz de uma chicotada escava um sulco de ódio na alma...


Argumento: Pasquale Ruju

Roteiro: Pasquale Ruju

Desenhos: Mario Milano

Cores: Matteo Vattani

Capa: Mario Milano               


Diego Portela incubou demoradamente a sua vingança contra don Alvarado. Mas a morte chegou um passo adiante de ele, levando embora o poderoso rancheiro. O feroz facínora volve agora as suas cruéis atenções sobre Blanca, a bela filha de Alvarado. Mas não fez as contas com Tex e Carson...

Fonte: Sergio Bonelli Editore. Fonte da imagem: Livraria Amazon Brasil. Nota: “Tex Graphic Novel” nº 9 “A Chicotada”, Mythos Editora, Brasil.




Inspirações de Mario Milano para
“Tex Romanzi a Fumetti”
 nº 11 “La frustata”


Ao conversar com Mario Milano sobre os rostos de personagens da história “La frustata”, ele me disse que se inspirou nos rostos de onze pessoas reais para compor aqueles de onze personagens da narrativa escrita por Pasquale Ruju.

Mario Milano me forneceu a lista das pessoas com os respectivos personagens e os desenhos dos rostos dos personagens para os quais eu pesquisei as fotografias das pessoas na Internet a fim de realizar esse artigo do blogue.

A relação enviada pelo desenhista texiano:

§     Steven Seagal - Tex Willer

§     Sam Elliott - Kit Carson

§     Charles Bronson - Bandido

§     Lee Van Cleef - Ignatio

§     Thomas Rudy - Santiago

§     Emilio Fernández - Enrique

§     Danny Trejo - Diego Portela

§     Fernando Sancho - Octavio

§     Frida Kahlo - Blanca

§     Anthony Quinn - Don Léon

§     Wallace Beery – Bandido



Steven Seagal - Tex Willer



Sam Elliott - Kit Carson




Charles Bronson - Bandido



Lee Van Cleef - Ignatio




Thomas Rudy - Santiago



Emilio Fernández - Enrique



Danny Trejo - Diego Portela



Fernando Sancho - Octavio



Frida Kahlo - Blanca



Anthony Quinn - Don Léon



Wallace Beery Bandido



O personagem Tex foi criado por Giovanni Luigi Bonelli e realizado graficamente por Aurelio Galleppini.
Tex © Sergio Bonelli Editore

Fotografias © As empresas, os autores e os seus herdeiros legais.

Un grande ringraziamento a Mario Milano per l’elenco delle persone e dei personaggi e gli disegni dei volti dei personaggi per questo articolo del blog Blueberry. Um grande agradecimento a Mario Milano pelo elenco das pessoas e dos personagens e os desenhos dos rostos dos personagens para esse artigo do blogue Blueberry.

Afrânio Braga

Artigo publicado também em Tex Willer Blog


domingo, 2 de maio de 2021

A Mission San Luis Rey em “Blueberry” nº 23 “Arizona Love”

1798. Fundada por frei Fermin Lasuen, sucessor de frei Junipero Serra, a Mission San Luis Rey tornou-se a maior das 21 missões espanholas estabelecidas na Alta Califórnia. Esta missão, a 18ª na cadeia, foi denominada pelo vice-rei espanhol em homenagem ao rei Luis IX da França, um santo do século 13 e patrono dos Franciscanos Seculares.


1984. Após morar um ano no Tahiti, Jean Giraud se muda  para Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos da América.

1988. Jean Giraud regressa a Paris, França, onde se instala com a sua esposa Isabelle Giraud.

1989. Jean-Michel Charlier falece e deixa o roteiro da história “Arizona Love” incompleto. Giraud decide prosseguir, sozinho, a série, assegurando doravante roteiro e desenho.


1990. “Arizona Love”, o volume 23 da série “Blueberry”, é publicado pela editora Alpen Publishers com o roteiro modificado e concluído por Jean Giraud.

2013. O artigo Inspirações de Charlier e de Giraud, do blogue Blueberry, traz as seguintes informações sobre as inspirações de Gir para a igreja de Tacoma, Novo México:


O terceiro casamento de Chihuahua Pearl


Lily Calloway era casada com o Coronel Trevor, oficial confederado, antes de conhecer o Tenente Blueberry. Em "L'Homme qui valait 500.000$", volume 14 da série "Blueberry", publicado em 1973, a bela loira, agora também conhecida por Chihuahua Pearl, se casaria com o Coronel Lopez, governador do Estado de Chihuahua, México, para chegar até ao seu marido - ela própria interrompe a cerimônia matrimonial, realizada na igreja de Chihuahua, e foge. Em "Arizona Love", volume 23, 1990, para o terceiro casamento de Pearl - dessa vez com Duke Stanton, rico empresário do setor ferroviário -, Jean Giraud se inspirou na igreja do Old Tucson Studios (acima, à esquerda) e na Saint Augustine Cathedral (acima, à direita), ambas localizadas em Tucson, Arizona, Estados Unidos da América, para desenhar a igreja de Tacoma, Novo México, Estados Unidos da América.


2021. Ao acessar o perfil da minha amiga Corrie Ault, em uma rede social, eu descobri as suas fotografias da Mission San Luis Rey e, de súbito, eu percebi que tinha visto a igreja da missão na história “Arizona Love” da série “Blueberry”. Em seguida, eu acessei o perfil da missão em cujo eu visualizei mais fotografias, dessa vez de Christine K. Le, Liam Duy Nguyen, Richiele Sloan e da própria missão.


A MISSION SAN LUIS REY EM “BLUEBERRY” Nº 23 “ARIZONA LOVE”



As fachadas frontal e lateral esquerda da igreja. (1)


Vinheta 1 da prancha 1 de “Arizona Love”. O canto superior esquerdo da igreja de Tacoma está distinto daquele da igreja da missão. A data da história, julho de 1889 - talvez uma homenagem de Jean Giraud ao ano da morte de Jean-Michel Charlier, 1989 - estava errada na cronologia das histórias de “Blueberry” e foi alterada em edição posterior.


Vinheta 1 da prancha 1 de “Arizona Love”. A data da história foi alterada para fim de 1872.  Na cronologia da série blueberryana principal da editora Dargaud é informada outra data, saiba mais no artigo Locais e Datas dos Ciclos de “Blueberry” 


Prancha 1 de “Arizona Love”.


Prancha 2 de “Arizona Love”.


A fachada frontal da igreja. (2)


Vinheta 1 da prancha 3 de “Arizona Love”. Dessa vez, o canto superior esquerdo da igreja de Tacoma está similar àquele da igreja da missão.


A fachada frontal da igreja e de parte da missão. (3)


Prancha 3 de “Arizona Love”.


Jean Giraud, da sua estadia de quatro anos na Califórnia, trouxe a igreja da Missão São Luis Rey para as pranchas do álbum “Arizona Love”, o último de “Blueberry” com a participação do seu parceiro Jean-Michel Charlier que deixou o roteiro inacabado, segundo a lenda, na página 22, cabendo ao desenhista prosseguir a partir da página 23, justamente o número do volume da série principal do Tenente Mike Steve Blueberry em cujo essa história foi publicada.

Jean-Michel Charlier, o criador literário da série “Blueberry”, situou a cidade de Tacoma no Estado do Novo México; em conversa com Corrie Ault, natural do Estado de Washington, sobre a localização da cidade feita por Charlier, ela me informou que Tacoma está situada em Washington, Estado do noroeste dos Estados Unidos da América e não no Novo México, Estado do sudoeste americano. Charlier emprestou o nome da verdadeira cidade de Tacoma para aquela fictícia onde ocorre o terceiro casamento de Chihuahua Pearl.



As fachadas frontal e lateral da igreja da Mission San Luis Rey e as bandeiras dos Estados Unidos da América, México e Espanha e do Estado da Califórnia. (4)


O antigo portal da Mission San Luis Rey, ao fundo uma schinus molle, árvore conhecida no Brasil como aroeira-salso, pimenteira-bastarda e outros nomes. (4)


O jardim da Mission San Luis Rey. À esquerda, a schinus molle, conhecida nos Estados Unidos da América como Peruvian pepper, American pepper, California pepper tree e outros nomes. (4)


A igreja e parte da Mission San Luis Rey. (5)


As fachadas frontal e lateral direita da igreja da missão. (5)


A Mission San Luis Rey. (1)

Fontes

Textos: Mission San Luis Rey, Oceanside, Califórnia, Estados Unidos da América; Dargaud Éditeur, Paris, França; blogue Blueberry, Manaus, Amazonas, Brasil.

Imagens: Fotografias: 1) Richiele Sloan, de Bonita, Califórnia, Estados Unidos da América; 2) Christine K. Le, artista, fotógrafa e grafista de Torrance, Califórnia, Estados Unidos da América; 3) Liam Duy Nguyen, de Lake Forest, Califórnia, Estados Unidos da América; 4) Corrie Ault, turismóloga, tradutora e fundadora da Profluent Language Services, de Seattle, Washington, Estados Unidos da América; 5) Mission San Luis Rey; Internet: Igreja do Old Tucson Studios e Saint Augustine Cathedral – ambas em Tucson, Arizona, Estados Unidos da América. Álbum “Arizona Love”: Bedetheque: prancha 1, vinheta 1 com a data julho de 1889; Dargaud Éditeur: prancha 1, vinheta 1 com a data fim de 1872, pranchas 1, 2 e 3 e capa do álbum n° 23 de “Blueberry”. Logomarca da missão: Mission San Luis Rey.

© Os editores, os autores e os seus herdeiros legais.

Agradecimentos a Mission San Luis Rey, editora Dargaud Éditeur, Bedetheque, Corrie Ault, Christine K. Le, Liam Duy Nguyen e Richiele Sloan.

Afrânio Braga