domingo, 2 de agosto de 2020

Blueberry e Tex por Alessandro Bocci



BLUEBERRY E TEX POR
ALESSANDRO BOCCI



Alessandro Bocci

Alessandro Bocci vive e lavora a Monteroni d’Arbia, paese a 16 km da Siena dove è nato il 30/08/1965. Diplomato Geometra nel 1984, svolge dal 1987 al 1994 la professione come arredatore di negozi di abbigliamento presso la ditta Tecna. Nel 1986 e nel 1988 vince le rassegne nazionali dell’umorismo tenutesi a Siena con vignette sul Palio. Nel 1994 entra alla casa editrice Star Comics come disegnatore per il personaggio di Lazarus Ledd.

Come storie complete di Lazarus Ledd, tutte su testi di Ade Capone, disegna:

N° 16 “L’onore e la spada”
N° 22 “Faccia a faccia”
N° 28 “Energia alfa”
N° 38 “La foresta dei misteri”
N° 39 “Scontro finale”
N° 50 “Missione impossibile”

Collabora alla realizzazione dei numeri 89 e 151 (l’ultimo della serie). Collabora alla realizzazione di n°2 “Lazarus Ledd Extra” (n°10 e n°12) tutti su sceneggiatura di Ade Capone. Dal n°18 diventa copertinista della testata di Lazarus Ledd realizzando in totale 90 copertine tra serie regolare e speciali.

Per la Liberty di Ade Capone disegna varie copertine relative alle serie da lui pubblicate – “Erinni”, “Il potere e la gloria”, “Kore One”.

Nel 1997 la rivista “Fumo di China” gli assegna il premio come “miglior giovane disegnatore italiano”.

Nel 1997 realizza per Marvel Italia una storia di Conan il barbaro per la collana “Conan il Conquistatore”.
                                                                            
Nel Giugno 2001, contattato da Mauro Boselli, entra nello staff di “Dampyr” per la Sergio Bonelli Editore. Storie disegnate per “Dampyr”:

N°31 “Il mare della morte”, sceneggiatura di M. Boselli
N°46 “Il castello di barbablù”, sceneggiatura di M. Boselli
N°62 “I dannati di Praga”, sceneggiatura di M. Boselli
N°75 “Lo sposo della vampira”, sceneggiatura di M. Boselli
N°97 “Notte e nebbia “ sceneggiatura di M. Boselli  
N°98 “L’armata della morte” sceneggiatura di M. Boselli  
N°102 “Gli spettri del Takla Makan” sceneggiatura di M. Boselli
N°115 “Sfida alla Temsek” sceneggiatura di D. Cajelli
N°129 ”Il tempio sull’himalaya” sceneggiatura di L. Mignacco
N°153 “Terra di nessuno” sceneggiatura di M. Boselli
N°177 “Scomparsi sceneggiatura di M. Boselli
N°178 “I vagabondi dell’infinito” sceneggiatura di M. Boselli

Nel 2000 realizza gli storyboard per il film “Laura non c’è” tratto dalla canzone di Nek.

Nel 2001 vince il premio INCA come migliore copertina dell’anno – “Lazarus Ledd extra” n°14 “il cavaliere di san Giorgio”.

Nel 2003, con la prima storia per “Dampyr”,  vince il premio Cartoomix-if come promessa del fumetto italiano.

Nel 2004 realizza per la contrada dell’istrice la storia a fumetti, dell’ultima vittoria del palio di Siena, dal titolo “Senza Tempo”.

Nel 2004 realizza la copertina dell’ultimo CD  musicale di Max Pezzali, 883.

Nel 2004 realizza due copertine della versione italiana del “Magical Mistery Moore”, ed. Star Comics, di Alan Moore.

Nel 2005, con la storia di “Dampyr” “ I dannati di Praga”, vince il premio Fumo di China come miglior storia realistica dell’anno.

Nel 2007, Lucca Comics, ispirato dai vampiri nemici di Dampyr esce - da lui stesso prodotto - il portfolio “I maestri della notte” (edizione esaurita).

Nel 2007 viene contattato dalla casa editrice francese Soleil  per la quale realizza, nella collana “Hanté” una storia in volume cartonato dal titolo “Fontainebleau – la casa di sangue” su sceneggiatura di Christophe Bec.

Nel 2008, Lucca Comics, esce il suo portfolio “I maestri della notte II”.

Nel 2009, Lucca Comics, esce il suo portfolio “I maestri della notte III”.

Nel 2010 realizza, per If Edizioni, sei nuove copertine per la ristampa di “Lazarus Ledd”.

Nel 2010 viene scelto dalla casa editrice francese Soleil per sostituire ai disegni, sulla serie “Prométhée”, Cristhophe Bec. Realizza il 3° e 4° episodio. Nel 2010 viene contattato dalla casa editrice francese Glénat per realizzare una storia in  due numeri dedicati all’esploratore amazzonico Percy Fawcett.

Nel 2014 entra a fare parte dello staff di “Tex”  - sempre per la Sergio Bonelli Editore - per il quale ha realizzato  due storie brevi: “Il mescalero senza volto” per il “Color Tex” n° 10 e “Maria Pilar” per il “Tex Magazine” n° 1. Per la serie regolare ha disegnato i numeri 701 “ La regina dei vampiri” e 702 “ Il tempio nella giugla”.

Attualmente è al lavoro su una storia doppia sempre per la serie regolare di “Tex” su sceneggiatura di Mauro Boselli.


Alessandro Bocci

Alessandro Bocci vive e trabalha em Monteroni d’Arbia, vilarejo a 16 quilômetros de Siena, Itália, onde nasceu em 30 de agosto de 1965. Diplomado agrimensor em 1984, ele desenvolve a profissão como decorador de interiores de lojas de vestuário junto à empresa Tecna. Em 1986 e em 1988, ele vence as resenhas nacionais do humorismo, realizadas em Siena, com vinhetas sobre o Palio. Em 1994, ele entra na editora Star Comics como desenhista para o personagem Lazarus Ledd.

Como histórias completas de Lazarus Ledd, todas sobre textos de Ade Capone, ele desenha:

N° 16 “L’onore e la spada”
N° 22 “Faccia a faccia”
N° 28 “Energia alfa”
N° 38 “La foresta dei misteri”
N° 39 “Scontro finale”
N° 50 “Missione impossibile”.

Ele colabora na realização dos números 89 e 151, o último da série. Ele colabora na realização do n°2 “Lazarus Ledd Extra” – nº 10 e nº 12 – todos sobre roteiro de Ade Capone. Desde o número 18, torna-se capista do título “Lazarus Ledd” realizando o total de 90 capas entre a série regular e especial.

Para a editora Liberty, de Ade Capone, ele desenha várias capas relativas às séries por ela publicadas - “Erinni”, “Il potere e la gloria”, “Kore One”.

Em 1997, a revista “Fumo di China” lhe atribui o prêmio de melhor jovem desenhista italiano.

Em 1997, ele realiza, para a Marvel Italia, uma história de Conan, o bárbaro para a coleção “Conan il Conquistatore”.
                                                                    
Em junho de 2001, contatado por Mauro Boselli, ele entra no staff de “Dampyr” para a editora Sergio Bonelli Editore. Histórias desenhadas para “Dampyr”:

N°31 “Il mare della morte”, roteiro de M. Boselli
N°46 “Il castello di barbablù”, roteiro de M. Boselli
N°62 “I dannati di Praga”, roteiro de M. Boselli
N°75 “Lo sposo della vampira”, roteiro de M. Boselli
N°97 “Notte e nebbia”, roteiro de M. Boselli
N°98 “L’armata della morte”, roteiro de M. Boselli
N°102 “Gli spettri del Takla Makan”, roteiro de M. Boselli
N°115 “Sfida alla Temsek”, roteiro de D. Cajelli
N°129 ”Il tempio sull’himalaya”, roteiro de L. Mignacco
N°153 “Terra di nessuno”, roteiro de M. Boselli
N°177 “Scomparsi”, roteiro de M. Boselli
N°178 “I vagabondi dell’infinito”, roteiro de M. Boselli

Em 2000, ele realiza o storyboard para o filme “Laura non c’è” trazido da canção de Nek.

Em 2001, ele vence o prêmio INCA – Italian Internet Comics Academy – de melhor capa do ano com “Lazarus Ledd Extra” nº 14 “Il cavaliere di san Giorgio”.

Em 2003, com a primeira história para “Dampyr”, ele vence o prêmio Cartoomix-if de promessa da história em quadrinhos italiana.

Em 2004, ele realiza para a Contrada Sovrana dell’Istrice a história da última vitória do palio de Siena, em história em quadrinhos, de título “Senza Tempo”.

Em 2004, ele realiza a capa do último CD musical de Max Pezzali, “883”.

Em 2004, ele realiza duas capas da versão italiana de “Magical Mistery Moore”, editora Star Comics, de Alan Moore.

Em 2005, com a história de “Dampyr”, “I dannati di Praga”, ele vence o prêmio Fumo di China de melhor história realística do ano.

Em 2007, no Lucca Comics, inspirado pelos vampiros inimigos de Dampyr sai – por ele mesmo produzido – o portfólio “I maestri della notte”, edição esgotada.

Em 2007, ele foi contatato pela editora francesa Soleil para a qual ele realiza, na coleção “Hanté”, uma história em volume cartonado de título “Fontainebleau – la casa di sangue” sobre roteiro de Christophe Bec.

Em 2008, no Lucca Comics, sai o seu portfólio “I maestri della notte II”.

Em 2009, no Lucca Comics, sai o seu portfólio “I maestri della notte III”.

Em 2010, ele realiza, para a editora If Edizioni, seis novas capas para a reedição de “Lazarus Ledd”.

Em 2010, ele foi escolhido pela editora francesa Soleil para substituir nos desenhos, na série “Prométhée”, Chisthophe Bec. Ele realiza o 3º e o 4º episódio. Em 2010, ele foi contatato pela editora francesa Glénat para realizar uma história em dois números dedicados ao explorador amazônico Percy Fawcett.

Em 2014, ele entra a fazer parte do staff de “Tex”, sempre para a editora Sergio Bonelli Editore, para a qual ele realizou duas histórias breves: “Il mescalero senza volto” para o “Color Tex” nº 10 e “Maria Pilar” para o “Tex Magazine” nº 1. Para a série regular ele desenhou os números 701 “La regina dei vampiri” e 702 “Il tempio nella giungla”.

Atualmente, ele está trabalhando em uma história dupla, sempre para a série regular de “Tex”, sobre roteiro de Mauro Boselli.


A série “Blueberry” foi criada por Jean-Michel Charlier e Jean Giraud
Blueberry © Jean-Michel Charlier / Jean Giraud – Dargaud Éditeur

O personagem Tex foi criado por Giovanni Luigi Bonelli e realizado graficamente por Aurelio Galleppini
Tex © Sergio Bonelli Editore

Blueberry, il fratello francese di Tex.
Blueberry, o irmão francês de Tex.

Sergio Bonelli
Editor e roteirista

Io ringrazio a Alessandro Bocci per il disegno di Blueberry e Tex, due miti del West, per il blog Blueberry.
Eu agradeço a Alessandro Bocci pelo desenho de Blueberry e Tex, dois mitos do Oeste, para o blogue Blueberry.

Afrânio Braga



domingo, 12 de julho de 2020

Blueberry L’Intégrale volume 8

Capa. 


Página 1. 


Página 2. 


Página 3. 


Página 4. 


Página 5. 


Página 6. 


Página 7. 


Página 8. 


Página 9. 


Verso da contracapa.


Ficha técnica

“Blueberry L'Intégrale” tome 8
“Arizona Love”, “Mister Blueberry”, “Ombres sur Tombstone” e “Géronimo l’Apache”
Roteiros: Jean-Michel Charlier
Desenhos e capa: Jean Giraud (1)
Cores: Florence Breton
Lançamento: 30 de novembro de 2018 (2)
Número de páginas: 232 páginas
Pranchas: 194
Gênero: Western
Preço: 29,99 €
Formato: 24,0x31,8 cm
Público: Adolescente – adulto; a partir de 16 anos
Editora: Dargaud Éditeur
Outras informações: Edição original. Integral

Fonte: Dargaud Éditeur e Bedetheque.

N. C.:

1) A ilustração da capa é aquela da capa de “Blueberry” nº 24 “Mister Blueberry”, álbum publicado pela editora Dargaud em 1995.

2) Informação da edição: Anotado “PRÈMIERE ÉDITION” (“Primeira Edição”). Contém, na estreia do álbum, um dossiê de 27 páginas. Fonte: Bedetheque.


Resumo “Blueberry – Intégrales” tome 8

Jean-Michel Charlier faleceu em 1989, deixando seu desenhista findar “Arizona Love”. Em 1995, Jean Giraud relança, só, a série com o ciclo Mister Blueberry, de cujo os três primeiros volumes, “Mister Blueberry”, “Ombres sur Tombstone” e “Géronimo L’Apache”, são reunidos nesse integral. Um ciclo onde um Blueberry envelhecendo, tornado uma lenda do Oeste, frequenta habitualmente as mesas de pôquer e cruzam o seu caminho assassinos contratados e celebridades, como Wild Bill Hickock (3) e Gerônimo (4). Espetacular, denso e belo!

Fonte: Dargaud Éditeur.

N. C.:

3) Wild Bill Hickock participa das histórias “Nez Cassé” (“Nariz Partido”), “La Longue Marche” (“A Longa Marcha”) e “La Tribu fantôme” (“A Tribo Fantasma”) – as duas primeiras publicadas em “Blueberry L’Intégrale” volume 6 e a última em “Blueberry L’Intégrale” volume 7 -, as três compõem o Ciclo do Segundo Complô Contra Grant – Parte 1. O Crepúsculo da Nação Apache, em cujo comparecem também Cochise e Vittorio, chefes da tribo Apache Chiricahua.

4) No Ciclo Mister Blueberry, também denominado Ciclo Tombstone e Ciclo OK Corral, composto pelas histórias “Mister Blueberry” (“Mister Blueberry”), “Ombres sur Tombstone” (“Sombras Sobre Tombstone”), “Géronimo l’Apache” (“Gerônimo o Apache”), “OK Corral” (“OK Corral”) e “Dust” (“Dust”) – as três primeiras publicadas em “Blueberry L’Intégrale” volume 8 e as duas últimas a publicar em “Blueberry L’Intégrale” volume 9 -, participam, além de Gerônimo, chefe Apache Chiricahua, Wyatt, Virgil e Simon, três dos irmãos Earp, Doc Holliday e Johnny Ringo, personagens reais da História estadunidense.


Texto da página 2:

Caro leitor,

Esse oitavo volume de “l’Intégral Blueberry”,
previsto em 9 volumes, retoma as páginas da série que foram publicadas diretamente em álbum, pré-publicadas em France-Soir, Le Monde e BoDoï
entre 10 de julho de 1990 e novembro de 1999. As cores são aquelas dos álbuns
feitas por Florence Breton e supervisionadas por Jean Giraud.

Nós vos desejamos uma maravilhosa leitura de uma
das obras mais míticas da história em quadrinhos.

O editor tem muito particularmente a agradecer a
Isabelle Giraud e Philippe Charlier
 por sua colaboração e seu apoio.

_______________________________


ARIZONA LOVE foi pré-publicado em France-Soir,
 de 10 de julho de 1990 a 12 de setembro de 1990.
Primeira edição em álbum em 1990 na Alpen Publishers.

MISTER BLUEBERRY foi publicado pela primeira vez,
diretamente em álbum, em 1995 na Dargaud.

OMBRES SUR TOMBSTONE foi pré-publicado em Le Monde,
de 14 de julho a 8 de agosto de 1997.
Primeira edição em álbum em 1997 na Dargaud.

GÉRONIMO L’APACHE foi pré-publicado em BoDoï,
do nº 22 (julho/agosto de 1999) ao nº 24 (novembro de 1999).
Primeira edição em álbum em 1999 na Dargaud.

A série Blueberry foi criada
por Jean-Michel Charlier e Jean Giraud.


 

 

N. C.: As histórias “Arizona Love” (“Arizona Love”), “Mister Blueberry” (“Mister Blueberry”), “Ombres sur Tombstone” (“Sombras sobre Tombstone”) e “Géronimo l’Apache” (“Gerônimo o Apache”) compõem o volume 8 de “Blueberry L’Intégrale”. As imagens acima mostram as capas da 1ª edição de cada um dos quatro álbuns – “Arizona Love” publicado por Alpen Publishers e os demais por Dargaud Éditeur.

Fontes das imagens: Bedetheque: as capas da 1ª edição dos quatro álbuns que compõem o volume 8 de “Blueberry L’Intégrale”. Dargaud Éditeur: as demais.

Blueberry L'Intégrale tome 8 © Jean-Michel Charlier / Jean Giraud - Dargaud Éditeur 2018


Afrânio Braga

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Blueberry por Massimo Rotundo



BLUEBERRY POR
MASSIMO ROTUNDO



Massimo Rotundo

Disegnatore, illustratore, storyboard artist, character designer, costume designer, concept artist, autore, pittore, insegnante. La carriera di Massimo Rotundo ha attraversato i mestieri del disegno, dal fumetto, al cinema, al teatro, ai cartoni animati, passando per la pittura e la didattica.

Nasce a Roma, dove frequenta l'Accademia di Belle Arti, diplomandosi in decorazione. Esordisce come vignettista satirico per il supplemento “Satyricon di Repubblica”, diretto da Giorgio Forattini. Dal 1978 disegna fumetti e copertine per la rivista “Lanciostory” (Eura Editoriale) e di seguito pubblica su riviste internazionali come “Heavy Metal” e “l'Écho des Savanes”.

Intorno ai primi anni ottanta, periodo d'oro delle riviste di fumetti d'autore, Rotundo alterna la sua collaborazione tra varie testate come “L'Eternauta”, “Comic Art” e “Torpedo”. Su “Orient Express” vengono pubblicate nel 1983 le storie “Il Pescatore”, su testi di Ricardo Barreiro e “Il Detective Senza Nome” su sceneggiatura di Luigi Mignacco. Nel frattempo disegna anche per numerosi periodici di moda e costume ma anche di fumetti come “Glamour” e “Diva”. È in questo periodo che collabora con lo sceneggiatore Giuseppe Ferrandino alla storia “La Città del Non Ritorno” e alla serie “Sera Torbara” (Comic Art Editore).

Per l'editore francese Albin Michel pubblica nel 1988 la serie erotica “Ex Libris Eroticis” che lo fa conoscere ed apprezzare in Francia come autore completo. Si tratta di storie brevissime in cui l'erotismo si lega all’arte e alla cultura delle ambientazioni, in una rivisitazione a fumetti della letteratura erotica e dell'illustrazione dei primi del Novecento. Il fumetto è stato poi riproposto in volume integrale da Glénat (2012) e tradotto in parte nella collana “Erotica, l’eros a fumetti”, Panini Comics (2016). All’inizio degli anni novanta realizza la copertina del primo numero della rivista erotica “Blue” (Coniglio Editore), su cui pubblicherà la storia “China Girl”, ancora come autore completo.

Successivamente viene anche apprezzato per le sue interpretazioni a fumetti di opere letterarie, tra le quali “La pelle di Zigrino”, dal romanzo di Honoré de Balzac, “Pig! Pig! Pig!”, dedicata a Pasolini e su sceneggiatura di Jean Dufaux.  È inoltre direttore artistico della serie “I Grandi Miti Greci a Fumetti di Luciano De Crescenzo” (Mondadori/De Agostini) e disegna “Il Barbiere di Siviglia” per il catalogo del Teatro dell'Opera di Roma.

Rotundo è inoltre uno dei fondatori e docenti della Scuola Romana dei Fumetti, fondata nel 1993 insieme a Giancarlo Caracuzzo, Paolo Morales, Stefano Santarelli e Massimo Vincenti.

Dal 1998 entra a far parte della scuderia Sergio Bonelli Editore che lo coinvolge sin dalle prime fasi della realizzazione del nuovo personaggio Brendon, ideato da Claudio Chiaverotti, di cui realizza alcuni episodi, compreso il primo: “Nato il 31 febbraio”. La serie è ambientata in un desolato futuro post atomico e Brendon D’Arkness è un cavaliere di ventura classicamente senza macchia e senza paura. A partire dal numero 46 vengono affidate a Rotundo le copertine della serie. Sempre per Bonelli dal 2007 collabora con lo scrittore Gianfranco Manfredi nelle miniserie di ambientazione storica “Volto Nascosto” e “Shanghai Devil”.

Nel 2015 disegna il “Texone” numero 30 “Tempesta su Galveston” scritto da Pasquale Ruju.

Tra i suoi lavori più recenti, realizzati direttamente in volume, va segnalata la saga dalle venature horror “Prediction” (sceneggiata da Pierre Makyo e colorata da Emanuele Tenderini) pubblicata dalla casa editrice francese Delcourt e in Italia da Cosmo Edizioni.

Nel settore cinematografico collabora, come illustratore, con la costumista Milena Canonero (premio Oscar per “Barry Lyndon” di Stanley Kubrick, “Momenti di Gloria” di Hugh Hudson, “Marie Antoinette” di Sofia Coppola e “The Grand Budapest Hotel” di Wes Anderson) in numerosi film e opere teatrali. Lavora come sketch artist per i film “Crusade” di Paul Verhoeven, “Titus” di Julie Taymor (candidato agli Oscar per i costumi), “The Wolfman” di Joe Johnston e “Gangs of New York” di Martin Scorsese.

Nel settore dei cartoni animati realizza character design e concept art per la serie “Ulisse - Il mio nome è Nessuno”, diretta da Giuseppe Maurizio Laganà (Premio Kineo-Diamanti Cartoon On The Bay in Venice - Festival del Cinema di Venezia 2012) prodotta da RAI e The Animation Band.

Oltre a copertine e locandine, come illustratore collabora con la casa editrice Lo Scarabeo, realizzando i mazzi di tarocchi "Carte indiane" e i "Tarocchi di Atlantide". Svolge anche l’attività di pittore, firmando le sue opere con lo pseudonimo “Max Grecoriaz”. Tra i premi vinti, nel 1990 lo Yellow Kid come miglior disegnatore italiano e il Gran Guinigi al Lucca Comics and Games di Lucca e nel 1992 il premio F.M. di Trani, città di Foiano, Romics d’oro alla carriera 2018.

Attualmente è al lavoro sulla serie regolare di “Tex” (Sergio Bonelli Editore).


Massimo Rotundo

Desenhista, ilustrador, storyboard artist, character designer, costume designer, concept artist, autor, pintor, professor. A carreira de Massimo Rotundo tem atravessado os ofícios do desenho, da história em quadrinhos, no cinema, no teatro, nos desenhos animados, passando pela pintura e a didática.

Ele nasce em Roma, onde ele frequenta a Accademia di Belle Arti, diplomando-se em Decoração. Ele estreia como vinhetista satírico para o suplemento “Satyricon di Repubblica”, dirigido por Giorgio Forattini. Desde 1978, ele desenha histórias em quadrinhos e capas para a revista “Laciostory”, da editora Eura Editoriale, e em seguida ele publica em revistas internacionais como “Heavy Metal” e “l’Écho des Savanes”.

Entorno dos primeiros anos oitenta, período de ouro das revistas de histórias em quadrinhos de autor, Rotundo alterna a sua colaboração entre vários títulos como “L’Eternauta”, “Comic Art” e “Torpedo”. Em “Orient Express” são publicadas, em 1983, as histórias “Il Pescatore”, sobre textos de Ricardo Barreiro, e “Il Detective Senza Nome” sobre roteiro de Luigi Mignacco. Enquanto isso, ele desenha também para numerosos periódicos de moda e costumes, mas também de histórias em quadrinhos como “Glamour” e “Diva”. É nesse período que ele colabora com o roteirista Giuseppe Ferrandino na história “La Città del Non Ritorno” e na série “Sera Torbara” da editora Comic Art Editore.

Para a editora francesa Albin Michel ele publica, em 1988, a série erótica “Ex Libris Eroticis” que faz ele ser conhecido e apreciado na França como autor completo. Trata-se de histórias brevíssimas em cujas o erotismo se liga à arte e à cultura das ambientações, em uma revisitação em histórias em quadrinhos da literatura erótica e da ilustração do início dos anos 1900. A história em quadrinhos foi depois reproposta em volume integral pela editora Glénat, em 2012, e traduzida em parte na coleção “Erotica, l’eros a fumetti”, da editora Panini Comics, em 2016. No início dos anos noventa, ele realiza a capa do primeiro número da revista erótica “Blue” da editora Coniglio Editore, em cuja ele publicará a história “China Girl”, ainda como autor completo.

Sucessivamente, ele também é apreciado pelas suas interpretações em histórias em quadrinhos de obras literárias, entre as quais “La pelle di Zigrino”, a partir do romance de Honoré de Balzac, “Pig! Pig! Pig!”, dedicada a Pasolini e sobre roteiro de Jean Dufaux. Além disso, ele é diretor artístico da série “I Grandi Miti Greci a Fumetti di Luciano De Crescenzo”, da parceria Mondadori/De Agostini, e ele desenha “Il Barbiere di Siviglia” para o catálogo do Teatro dell’Opera di Roma.

Além disso, Rotundo é um dos fundadores e docentes da Scuola Romana dei Fumetti, fundada, em 1993, junto a Giancarlo Caracuzzo, Paolo Morales, Stefano Santarelli e Massimo Vincenti.
A partir de 1983, ele entra a fazer parte da escuderia Sergio Bonelli Editore que o envolve desde as primeiras fases da realização do novo personagem Brendon, idealizado por Claudio Chiaverotti, de cujo ele realiza alguns episódios, incluso o primeiro: “Nato il 31 febbraio”. A série é ambientada em um desolado futuro pós-atômico e Brendon D’Arknesse é um cavaleiro de ventura classicamente sem mácula e sem medo. A partir do número 46 são confiadas a Rotundo as capas da série. Sempre para a editora Bonelli, desde 2007, ele colabora com o escritor Gianfranco Manfredi na minissérie de ambientação histórica “Volto Nascosto” e “Shangai Devil”.

Em 2015, ele desenha o “Texone” número 30 “Tempesta su Galveston” escrito por Pasquale Ruju.

Entre os seus trabalhos mais recentes, realizados diretamente em volume, vai assinalada a saga das venais de horror “Prediction” (roteirizada por Pierre Makyo e colorida por Emanuele Tenderini) publicada pela editora francesa Delcourt e na Itália pela editora Cosmo Edizioni.

No setor cinematográfico ele colabora, como ilustrador, com a figurinista Milena Canonero – prêmio Oscar por “Barry Lyndon” de Stanley Kubrick, “Chariots of Fire” (“Carruagens de Fogo”) de Hugh Hudson, “Marie Antoinette” (“Maria Antonieta”) de Sofia Coppola e “The Grand Budapest Hotel” (“O Grande Hotel Budapeste”) de Wes Anderson – em numerosos filmes e óperas teatrais. Ele trabalha como sketch artist para os filmes “Crusade” de Paul Verhoeven, “Titus” de Julie Taymor (candidato ao Oscar de melhor figurino), “The Wolfman” (“O Lobisomem”) de Joe Johnston e “Gangs of New York” (“Gangues de Nova York”) de Martin Scorsese.

No setor dos desenhos animados ele realiza character design e concept art para a série “Ulisse – Il mio nome è Nessuno”, dirigida por Giuseppe Maurizio Laganà (Prêmio Kineo-Diamanti Cartoon On The Bay in Venice – Festival del Cinema di Venezia 2012) produzida por RAI e The Animation Band.

Além de capas e cartazes, como ilustrador ele colabora com a editora Lo Scarabeo, realizando os baralhos de tarô “Carte indiane” e “Tarocchi di Atlantide”. Ele desenvolve também a atividade de pintor, assinando as suas obras com o pseudônimo “Max Grecoriaz”. Entre os prêmios vencidos, em 1990, o Yellow Kid como melhor desenhista italiano e o Gran Guinigi no Lucca Comics and Games di Lucca e, em 1992, o prêmio F.M. di Trani, città di Foiano, Romics d’oro alla carriera 2018.

Atualmente, ele está trabalhando na série regular de “Tex” da editora Sergio Bonelli Editore.


A série “Blueberry” foi criada por Jean-Michel Charlier e Jean Giraud
Blueberry © Jean-Michel Charlier / Jean Giraud – Dargaud Éditeur

Blueberry, il fratello francese di Tex.
Blueberry, o irmão francês de Tex.

Sergio Bonelli
Editor e roteirista

Io ringrazio a Massimo Rotundo per il disegno di Blueberry, una legenda del West, per il blog Blueberry.
Eu agradeço a Massimo Rotundo pelo desenho de Blueberry, uma lenda do Oeste, para o blogue Blueberry.

Afrânio Braga